De acordo com depoimentos, passaportes de Ronaldinho e Assis custaram certa de US$ 6 mil cada.

Depoimentos revelaram que passaportes de Ronaldinho e seu irmão Assis custaram US$ 6 mil dólares cada (cerca de 30 mil reais).

Os pagamentos foram feitos em dinheiro pela empresária Dalia Lopez, que promoveu a ida dos irmãos ao Paraguai.

Iván Ocampos Miño, de 31 anos, é uma amiga próxima da família de Dalia e foi uma das pessoas que prestaram depoimento.

Iván mencionou ter feito contato com Bernardo Arellano, um funcionário do departamento de Imigração do Paraguai, e que cobrou US$ 6 mil dólares por documento adulterado. Além dos passaportes de Ronaldinho e Assis, Arellano também teria – segundo o depoimento – confeccionado o documento de Wilmondes Lira, empresário brasileiro que apresentou Assis a Dalia Lopez, e que está preso no Paraguai.

A defesa de Ronaldinho e Assis já tentou 3 recursos para tira-los da Agrupación Especializada, complexo da Polícia Nacional do Paraguai que abriga 194 presos. As três apelações da defesa foram recusadas.