Tom Brady ou Peyton Manning? Posição por posição, a eleição dos melhores da história da NFL

Com a centésima temporada da NFL prestes a começar, lançamos aqui o grande debate: quem faria parte da melhor equipe de todos os tempos? Isso significa um jogador para todas as posições de ataque, defesa e especialistas.

Parece bastante simples, certo?

Mas é quase impossível.

Para resumir e tentar explicar como é difícil fazer isso, um técnico da NFL que conheço há mais de 20 anos me disse simplesmente: “Você está louco?”

Honestamente, este é um projeto com mais de 30 anos de construção. A pesquisa inclui entrevistas com mais de 250 pessoas durante todos esses anos, incluindo jogadores, treinadores, olheiros, GMs, membros do Hall da Fama e mais.

Quem é o melhor que eles já viram, o melhor que já foram companheiros, o melhor que já enfrentaram, o melhor que já ouviram falar? Fiz essas perguntas, avaliei os dados estatísticos disponíveis e fiz o que o explorador de longa data C.O. Brocato me disse, há tanto tempo: confiei nos meus olhos.

Então eu escolhi um time com uma presença forte no ataque e na defesa.

Portanto, há um left tackle e um right tackle, dois linebackers, um free safety e um strong safety.

Embora os jogadores deste time tenham décadas de diferença, a falta de vídeo e de estatísticas a limitam a presença dos jogadores dos primeiros anos do esporte. Eu dei uma força para aqueles jogadores, que eram ótimos em uma época sem toda a profissionalização da liga: treinadores, equipes médicas, cozinheiros pessoais. Em muitos casos, até os equipamentos não eram os mesmos.

Os argumentos estão chegando, então esteja pronto.

Aqui está o time. Estamos falando dos melhores dos melhores da história do futebol americano.

ATAQUE

QB: Tom Brady

Carreira: New England Patriots, 2000 – hoje
Estatísticas que importam: 207 vitórias na temporada regular, 517 passes para TD.

Essa é, sem surpresas, a posição mais difícil de escolher apenas um. Mas Brady tem 14 aparições no Pro Bowl e venceu o Super Bowl seis vezes. Ele lançou para 4.355 jardas e venceu um Super Bowl com 41 anos, jogou o seu melhor em momentos decisivos e esteve em times que venceram 12 jogos 11 vezes na carreira.

Comece a discussão com: Johnny Unitas (Baltimore Colts), John Elway (Denver Broncos), Peyton Manning (Indianapolis Colts, Denver Broncos), Joe Montana (San Francisco 49ers, Kansas City Chiefs)

WR: Jerry Rice

Carreira: San Francisco 49ers, 1985 – 2000; Oakland Raiders, 2001-04; Seattle Seahawks, 2004
Classe do Hall da Fama: 2010
Estatísticas que importam: Oito recepções para TD em Super Bowls.

Rice foi para o Pro-Bowl 13 vezes e liderou a liga em jardas e TDs seis vezes. Ele é o líder da NFL em recepções, jardas recebidas, touchdowns recebidos e jardas de scrimmage. Ele jogou 29 partidas de playoffs e recebeu 22 passes para TD.

Comece a discussão com: Ninguém

WR: Don Hutson

Carreira: Green Bay Packers,1935-45
Classe do Hall da Fama: 1963
Estatística que importa: Cinco temporadas consecutivas liderando a liga em recepções.

No contexto histórico, é provável que nenhum jogador tenha sido tão melhor que os sues contemporâneos como Hutson. Ele tinha 18 recordes da NFL quando se aposentou e 200 recepções a mais que o seu “maior” rival. Os 99 TDs de Hutson foram o recorde da liga por 40 anos depois da sua aposentadoria. Ele criou muito do que os recebedores de hoje em dia fazem. Ele também teve 30 interceptações como safety e chutava extra points.

Comece a discussão com: Randy Moss (Minessota Vikings, Oakland Raiders, New England Patriots, Tennessee Titans, San Francisco 49ers

RB: Jim Brown

Carreira: Cleveland Browns, 1957-65
Classe do Hall da Fama: 1971
Estatística que importa: Sete temporadas com média de mais de 100 jardas por jogo.

Brown foi a única escolha universal entre as pessoas que participaram da pesquisa. Ele teve média de mais de cinco jardas por corrida em toda a carreira. Ele liderou a liga em oito das nove temporadas que jogou, foi o MVP três vezes e se aposentou como o líder da história da liga em jardas: 12.312. Ele se aposentou com 30 anos de idade.

Comece a discussão com: Ninguém

RB: Walter Payton

Carreira: Chicago Bears, 1975-87
Classe do Hall da Fama: 1993
Estatística que importa: 10 temporadas com mais de 320 toques na bola.

Payton se aposentou como o líder da história da liga em jardas corridas. Foram 321 carregadas e 1.333 jardas com 32 anos de idade. A filosofia de Payton era “Nunca se entregue facilmente”. Nove vezes chamado para o Pro-Bowl, Foi o primeiro RB da história a ter 10 temporadas com pelo menos 1.000 jardas corridas em cada uma delas.

Comece a discussão com: Ninguém

LT: Anthony Muñoz

Carreira: Cincinnati Bengals, 1980-92
Classe do Hall da Fama: 1998

Ele era um atleta nato – Munoz era o arremessador do time da faculdade de USC e se formou com quatro recepções de TD. Ele foi um All-Pro 11 vezes, foi nomeado para o time histórico de aniversário de 75 anos da NFL e fez parte do time da década de 80. Tudo isso tendo passado por três cirurgias no joelho durante a sua carreira na faculdade.

Comece a discussão com: Jonathan Ogden (Baltimore Ravens), Walter Jones (Seattle Seahawks), Ron Yary (Minnesota Vikings, Los Angeles Rams), Willie Roaf (New Orleans Saints, Kansas City Chiefs)

G: John Hannah

Carreira: New England Patriots, 1973-85
Classe do Hall da Fama: 1991

Ele foi para o Pro Bowl nove vezes e esteve no time All-Pro em sete oportunidades. Bear Bryant, técnico de Alabama, disse que Hannah foi o melhor jogador de OL que ele já treinou. Ron Erhardt, técnico dos Patriots, disse que jogadores caíam de propósito para não ficar em seu caminho.

Comece a discussão com: Gene Upshaw (Oakland Raiders), Bruce Matthews (Houston Oilers/Tennessee Titans), Randall McDaniel (Minnesota Vikings, Tampa Bay Buccaneers)

C: Jim Otto

Carreira: Oakland Raiders, 1960-74
Classe do Hall da Fama: 1990

Otto jogou 10 das suas 15 temporadas antes da junção AFL-NFL em 1970, mas esteve 10 vezes no time All-Pro da AFL e foi para o Pro Bowl 12 vezes. Otto jogou todas as partidas desde que foi draftado – 210 na temporada regular. Sua durabilidade veio com um preço, no entanto. Ele teve cerca de 70 cirurgias na carreira, incluindo a amputação de sua perna direita.

Comece a discussão com: Dwight Stephenson (Miami Dolphins), Mike Webster (Pittsburgh Steelers, Kansas City Chiefs)

G: Jim Parker

Carreira: Baltimore Colts, 1957-67
Classe do Hall da Fama: 1973

Ele foi o primeiro jogador só de linha ofensiva que foi para o Hall da Fama, mas pode ser o único jogador desta lista onde poderia ser escolhido em duas posições diferentes. Ele jogou de guard e tackle para os Colts e foi um All-Pro várias vezes nas duas posições. Em 1962, quando mudou de posição no meio da temporada, ele foi nomeado All-Pro em left tackle e left guard no fim da temporada.

Comece a discussão com: Tom Mack (Los Angeles Rams), Larry Allen (Dallas Cowboys), Mike Munchak (Houston Oilers)

RT: Forrest Gregg

Carreira: Green Bay Packers, 1956, 1958-70; Dallas Cowboys, 1971
Classe do Hall da Fama: 1977

Gregg foi um All-Pro em oito temporadas consecutivas. Um monstro na posição de right tackle para os Packers de Vince Lombardi, ele também jogou de guard em algumas ocasiões. Ele não jogou a temporada de 1957 porque estava no exército, mas voltou para os Packers em 1958.

Comece a discussão com: Rayfield Wright (Dallas Cowboys), Jackie Slater (Los Angeles/St. Louis Rams)

TE: Tony Gonzalez

Carreira: Kansas City Chiefs, 1997-2008; Atlanta Falcons, 2009-13
Classe do Hall da Fama: 2019
Estatística que importa: Mais recepções na carreira do que Randy Moss, Terrell Owens e Marvin Harrison

Essa foi uma das decisões mais difíceis. Enquanto John Mackey definiu a posição, ele também jogou muito antes de um TE ter 100 alvos em uma temporada – como Gonzalez teve em 15 delas. Ele foi para o Pro Bowl 14 vezes e liderou a liga em recepções (102) em 2004. Ele terminou no top-10 da liga em recepções por cinco vezes, e é o segundo jogador com mais recepções da história (1.325).

Comece a discussão com: John Mackey (Baltimore Colts), Rob Gronkowski (New England Patriots)

DEFESA

DE: Reggie White

Carreira: Philadelphia Eagles, 1985-92; Green Bay Packers, 1993-98; Carolina Panthers, 2000
Classe do Hall da Fama: 2006
Estatística que importa: Três sacks no Super Bowl XXXI

White foi selecionado 13 vezes para o Pro Bowl, oito vezes para o time All-Pro e foi duas vezes o Defensor do Ano. De 1986 a 1988, White teve 57 sacks e cinco temporadas com, pelo menos, 15 sacks.

Comece a discussão com: Bruce Smith (Buffalo Bills, Washington Redskins), JJ Watt (Houston Texans)

DE: Deacon Jones

Carreira: Los Angeles Rams, 1961-71; San Diego Chargers, 1972-73; Washington Redskins, 1974
Classe do Hall da Fama: 1980
Estatística que importa: 21,5 sacks em 1967

Jones foi uma escolha de 14° round pelo time dos Rams, e fez parte do Fearsome Foursome (tradução: Os Quatro Temidos). É ele quem recebe crédito por ter inventado o termo “sack”. Apesar de ter jogado antes de sack se tornar uma estatística oficial, acredita-se que ele teve 173,5 sacks na carreira – 159,5 com os Rams. Seu ex-companheiro de time, Merlin Olsen, disse: “Nunca houve um jogador melhor que Deacon Jones”.

Comece a discussão com: Lee Roy Selmon (Tampa Bay Buccaneers), Jack Youngblood (Los Angeles Rams)

DT: Joe Greene

Carreira: Pittsburgh Steelers, 1969-81
Classe do Hall da Fama: 1987
Estatística que importa: Foi titular em 181 dos 190 jogos da carreira

Em 1969, os Steelers draftaram um defensor no primeiro round, e ele venceria o prêmio de Defensor do Ano e foi para o Pro Bowl pela primeira vez – das 10 que iria. Ele foi o único jogador que esteve nos quatro Super Bowls dos Steelers em seis anos que teve o número aposentado pelo time.

Comece a discussão com: Bob Lilly (Dallas Cowboys), Cortez Kennedy (Seattle Seahawks), Aaron Donald (Los Angeles Rams)

DT: Merlin Olsen

Carreira: Los Angeles Rams, 1962-76
Classe do Hall da Fama: 1982
Estatística que importa: Sua única interceptação foi retornada para TD

Escolhido 14 vezes para o Pro Bowl, ele foi nomeado para os times da década da NFL dos anos 60 e 70 e foi um All-Pro cinco vezes. Olsen não perdeu um jogo nos seus últimos 14 anos de liga. Como Deacon Jones, Olsen era um membro dos Quatro Temidos e é considerado pelos Rams o jogador com mais tackles da história do time.

Comece a discussão com: Randy White (Dallas Cowboys), Buck Buchanan (Kansas City Chiefs), Alan Page (Minnesota Vikings, Chicago Bears)

LB: Lawrence Taylor

Carreira: New York Giants, 1981-93
Classe do Hall da Fama: 1999
Estatística que importa: Um dos únicos dois defensores que foram nomeados MVP da liga

Quando você inicia a sua carreira com 133 tackles, 9,5 sacks, oito passes desviados, dois fumbles forçados e uma interceptação para vencer o prêmio de Defensor do Ano, como LT fez, pode ser uma previsão de tudo que aconteceria de bom em sua carreira. Ele revolucionou a posição de linebacker e venceu o Super Bowl duas vezes.

Comece a discussão com: Derrick Thomas (Kansas City Chiefs)

LB: Dick Butkus

Carreira: Chicago Bears, 1965-73
Classe do Hall da Fama: 1979
Estatística que importa: 12 turnovers na temporada de rookie

Butkus, que teve a carreira interrompida por problemas no joelho, foi uma presença feroz no campo, cujas façanhas no jogo quase coincidem com as histórias contadas sobre ele. O grande jogador dos Bears foi para o Pro Bowl oito vezes e selecionado para os times da década dos anos 60 e 70. Do ponto de vista do esporte, sua habilidade de sair de bloqueios e encontrar o ângulo correto foi raramente igualada. Foram 27 fumbles recuperados na carreira – recorde da liga.

Comece a discussão com: Ray Lewis (Baltimore Ravens), Joe Schmidt (Detroit Lions), Willie Lanier (Kansas City Chiefs), Jack Lambert (Pittsburgh Steelers)

LB: Bobby Bell

Carreira: Kansas City Chiefs, 1963-74
Classe do Hall da Fama: 1983
Estatística que importa: Seis interceptações retornadas para TD por um LB, recorde da liga

Treinador membro do Hall da Fama, Hank Stram disse uma vez que Bell poderia ter jogado qualquer posição no campo, com exceção de quarterback. Bell é considerado por muitos como o melhor linebacker tradicional que o jogo já teve. Se Bell tivesse jogado duas décadas depois, ele provavelmente teria sido melhor ainda. Ele foi creditado com 40 sacks de carreira – muito antes de ser uma estatística oficial – e marcou oito touchdowns defensivos.

Comece a discussão com: Jack Ham (Pittsburgh Steelers), Dave Robinson (Green Bay Packers, Washington Redskins), Dave Wilcox (San Francisco 49ers)

CB: Deion Sanders

Carreira: Atlanta Falcons, 1989-93; San Francisco 49ers, 1994; Dallas Cowboys, 1995-99; Washington Redskins, 2000; Baltimore Ravens, 2004-05
Classe do Hall da Fama: 2011
Estatística que importa: Marcou TDs em retornos de interceptação, retornos de punt, como wide receiver e como RB em um jogo de playoff

O Prime Time foi oito vezes para o Pro Bowl e seis vezes um All-Pro. Sanders marcou touchdowns de carreira por interceptação, retorno de fumble, retorno de kickoff, retorno de punt e recepção. Muitos se queixavam de sua disposição – ou falta dela – para fazer tackles, mas várias vezes, aqueles que o enfrentavam, jogavam ao lado dele e simplesmente o viam, diziam que ele era o melhor de todos os tempos. Ele não era constantemente desafiado por quarterbacks adversários – estes fugiam dele. Mesmo assim, Sanders ainda terminou sua carreira com 53 interceptações, incluindo duas em sua temporada final, aos 38 anos – um total que teria sido maior se não tivesse se aposentado por três temporadas antes de assinar com Baltimore em 2004.

Comece a discussão com: Dick “Night Train” Lane (Los Angeles Rams, Chicago Cardinals, Detroit Lions), Mike Haynes (New England Patriots, Oakland Raiders)

CB: Rod Woodson

Carreira: Pittsburgh Steelers, 1987-96; San Francisco 49ers, 1997; Baltimore Ravens, 1998-2003
Classe do Hall da Fama: 2009
Estatística que importa: Recorde de interceptações retornadas para TD (12)

Ele jogava de cornerback no lado esquerdo e direito, e também jogou de free safety ao longo de uma carreira em que ele terminou com 71 interceptações. Woodson se aposentou como o líder de jardas de retorno em interceptações. Ele foi All-Pro em cornerback, safety e retornador. Escolhido 11 vezes para o Pro Bowl, Woodson teve 14 temporadas com pelo menos três interceptações e seis temporadas de pelo menos cinco interceptações. Ele liderou a liga com oito em 2002, quando ele tinha 37 anos de idade.

Comece a discussão com: Mel Blount (Pittsburgh Steelers), Charles Woodson (Oakland Raiders, Green Bay Packers), Willie Brown (Denver Broncos, Oakland Raiders), Champ Bailey (Washington Redskins, Denver Broncos)

S: Ken Houston

Carreira: Houston Oilers, 1967-72; Washington Redskins, 1973-80
Classe do Hall da Fama: 1986
Estatística que importa: 49 interceptações na carreira

Ele se tornou titular no terceiro jogo de seu ano de rookie e no quinto jogo de sua carreira no futebol, ele marcou dois touchdowns – em um retorno de field goal bloqueado e um após interceptação. Ele foi para o All-Star game ou Pro Bowl em 12 temporadas consecutivas e foi negociado, por cinco jogadores, entre o Houston Oilers e Washington em 1973. Ele era bem atlético, a ponto de ser um dos melhores tackleadores da liga e um excelente defensor nos passes.

Comece a discussão com: Emlen Tunnell (New York Giants, Green Bay Packers), Kenny Easley (Seattle Seahawks, Arizona Cardinals)

S: Ronnie Lott

Carreira: San Francisco 49ers, 1981-90; Los Angeles Raiders, 1991-92; New York Jets, 1993-94
Classe do Hall da Fama: 2000
Estatística que importa: Nove interceptações em playoffs

Lott começou a sua carreira como, provavelmente, o cornerback que mais batia na história da liga. Ele foi movido para a posição de safety, onde foi escolhido para o time All-Pro oito vezes. Ele terminou a carreira como tetracampeão do Super Bowl, 63 interceptações, mais de 1.100 tackles e 16 fumbles forçados.

Comece a discussão com: Ed Reed (Baltimore Ravens, Houston Texans, New York Jets), Brian Dawkins (Philadelphia Eagles, Denver Broncos), Willie Wood (Green Bay Packers)

ESPECIALISTAS

Kicker: Adam Vinatieri

Carreira: New England Patriots, 1996-2005; Indianapolis Colts, 2006-hoje
Estatística que importa: 56 FGs em playoffs

Precisão é um dado injusto para analisar kickers porque, antigamente, não existia um jogador dedicado somente ao snap dessas jogadas. Vinatieri vai se aposentar como o maior pontuador da história da NFL, e seus melhores momentos são apenas dois chutes para vencer Super Bowls.

Comece a discussão com: Morten Andersen (New Orleans Saints, Atlanta Falcons, New York Giants, Kansas City Chiefs, Minnesota Vikings), Justin Tucker (Baltimore Ravens), Jan Stenerud (Kansas City Chiefs, Green Bay Packers, Minnesota Vikings)

Punter: Ray Guy

Carreira: Oakland/Los Angeles Raiders, 1973-86
Classe do Hall da Fama: 2014

Novamente, assim como os kickers, punter – até os anos 80 – lidavam com mais snaps ruins em um quarto do que os de hoje lidam durante uma temporada inteira. Guy era mais do que um punter que pegava a bola e chutava para o alto. Dos seus mais de 1.000 punts, apenas três foram bloqueados, e ele liderou a liga como melhor punter em três anos.

Comece o argumento com: Jerrel Wilson (Kansas City Chiefs), Sean Landeta (New York Giants, Tampa Bay Buccaneers, Los Angeles Rams, Green Bay Packers, Philadelphia Eagles)

Especialista: Gale Sayers

Carreira: Chicago Bears, 1965-1971
Classe do Hall da Fama: 1977

Sayers precisava dos procedimentos médicos de hoje para que seus problemas no joelho não terminassem sua notável carreira depois de apenas 68 jogos. Seu jogo de seis touchdowns como novato contra o 49ers incluiu uma recepção para touchdown de 80 jardas, um retorno de 77 jardas e um retorno de kickoff de 93 jardas – e ainda é um vídeo imperdível. Ele teve uma média de mais de 31 jardas por retorno de chute em cada um dos seus primeiros três anos no campeonato, e em cinco temporadas alcançou 14 jardas por retorno de punt três vezes.

Técnico Bill Belichick

Carreira: Cleveland Browns, 1991-95; New England Patriots, 2000-hoje

Há outros, como Paul Brown, que definiram e moldaram como as pessoas realizam o trabalho de técnico há décadas. E Don Shula, que tem mais vitórias e treinou o único time invicto da história, está na conversa. Sim, Belichick foi demitido de seu primeiro emprego como treinador principal da NFL e tem um histórico de derrotas em jogos em que Tom Brady não era o quarterback titular, mas no final, seis vitórias no Super Bowl em nove partidas superam absolutamente tudo. São 31 vitórias na pós-temporada e fez uma tonelada de seu trabalho tático como assistente, muito antes de ser treinador. Sua capacidade de sustentar o sucesso na era da free agency e do teto salarial torna a dinastia dos Patriotas ainda mais impressionante.

Comece a discussão com: Paul Brown (Cleveland Browns, Cincinnati Bengals), Joe Gibbs (Washington Redskins), Bill Walsh (San Francisco 49ers), Don Shula (Baltimore Colts), Vince Lombardi (Green Bay Packers, Washington Redskins)

Fonte: https://www.espn.com.br/nfl/artigo/_/id/5996717/tom-brady-ou-peyton-manning-posicao-por-posicao-a-eleicao-dos-melhores-da-historia-da-nfl